Já passou o Natal, e agora?


Bom, o Natal já passou, todo mundo fez seus votos de felicidade, paz e todas essas coisas de sempre. Todo mundo comemorou o Natal de alguma forma: em família, com amigos, sozinho, em casa, na praia, no trânsito. Enfim, o Natal ja passou e o dia 26 com cara de segunda feira fora de época enfim chegou. Agora é curar a ressaca da Ceia e se preparar para o Reveillón, certo?

Bom, é mais ou menos isso. O problema é que todo fim de ano trás consigo promessas de mudança, de renovação, mas tudo continua igual como sempre. Inclusive as comemorações de fim de ano são sempre iguais. Prometemos perder peso, ganhar dinheiro, dar mais atenção à família, trabalhar menos e ficar mais tempo com os filhos. E logo no dia 2 de janeiro você percebe que suas promessas provavelmente não serão cumpridas. Mas a gente leva o ano assim mesmo, empurrando com a barriga e desejando que ele acabe logo pra renovar as promessas para o ano seguinte. Isso se chama vida, pra alguns. 

Eu, pelo contrário, nunca fiz promessas de fim de ano. Nunca fui de prometer emagrecer (dá pra perceber, alguns vão dizer... rs), nem nada disso. Sempre preferi deixar que as coisas tomassem seu rumo e ir navegando conforme a maré se apresentar. Até deu certo por um tempo, mas depois percebi que viver sem propósitos também é outra forma vazia de levar a vida. Tentei levar minha vida sem planos nem projetos. Simplesmente fui vivendo, sem sonhos, sem nada a perseguir. E percebi que não estou chegando a ligar nenhum, talvez por não saber onde quero ir. Já diz o ditado que "quem não sabe o que procura não percebe quando encontra". Eu estava levando as coisas assim. 

Por isso me dou ao luxo de mudar tudo esse ano e fazer promessas de ano novo. Sim, preciso emagrecer, como todo mundo diz, mas meu caso é questão de saúde, já. Virei um obeso - um beijo do gordo, UOU! Pra isso vou procurar ajuda especializada, uma endócrino e nutricionista, e entrar em alguma academia - apesar de eu ODIAR o ambiente supérfluo das academias, cheias de músculos inflados e cabeças ocas, sem falar nas siliconadas exibindo seios enormes em tops minúsculos (tá, assumo, eu também gosto de ver! Sou homem, porra!). Vou tentar vencer esse preconceito e adotar o estilo fitness. 2014 vai ser um ano de mudanças na minha vida profissional, e minha vida pessoal vai ter que acompanhar. Pra isso, vou tentar vencer outro preconceito: o inglês. Sim, eu não tenho a menor paciência para aprender inglês, mas já estou sentindo na pela a falta que me faz conhecer o idioma dos Simpsons. Quem sabe não engate um espanhol, também? 

Mas eu sei que essas são mudanças cosméticas, que resolvem parte do problema. Basear meu 2014 apenas em poucas promessas é como resolver o problema da saúde no Brasil só contratando mais médicos. Aliás, fizeram isso... Mas enfim, preciso mudar minha forma de ver a vida. Mudar a forma de me ver. Cobrar menos de mim mesmo, ser menos exigente. Parar de pensar um pouco em como as pessoas me veem e me preocupar mais com o que me faz bem. Foi o que minha psicóloga disse... rs Parece fácil, mas não é. Só que eu tô tentando, juro.

Enfim, acho que chego a hora de mudar algumas coisas na minha vida. Não vou relatar mais porque tem gente lendo isso. Mas espero que algumas dessas mudanças sejam visíveis. Se não as mudanças interiores, pelo menos o tamanho da barriga... rs

E que 2014 seja um ano de mudanças na vida de todos, não por causa das promessas de Reveillon, mas porque mudanças são necessárias. 

Abraços a todos e até 2014!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gostosa

Eu prometo

Prêmio de Consolação