Ninguém quis Myanmar


E Roberto, que reclamava de nunca ganhar nada na vida, ganhou um prêmio inusitado de uma revista da qual era assinante: uma viagem de uma semana, com tudo pago e com direito a um acompanhante para Myanmar. Roberto quis comemorar, mas uma pergunta veio quase automaticamente em sua cabeça no momento em que viu o resultado do prêmio:

Onde fica Myanmar?

Myanmar é um pequeno e desconhecido país asiático, mas com vizinhos poderosos. É cercado por ninguém menos que a poderosa China. Com pouco mais de 52 milhões de habitantes e considerado um país com baixa população demográfica se comparados a outros países asiáticos, Myanmar tem uma bela história de luta por liberdade. Independente do Reino Unido desde 1948, Myanmar é um dos principais países budistas do mundo, tendo em seus domínios monumentos históricos da religião.  

Apesar de não estar entre os principais destinos turísticos, Myanmar tem muito a oferecer: o Pagode Shwedagon, o primeiro local sagrado budista de Myanmar, foi construído em 1372 e é um dos grandes monumentos que atraem a atenção dos poucos que se aventuram a conhecer o país: nele estão objetos que pertenceram aos quatro grandes budas, incluindo Siddharta Gautama. Há que se destacar também o Templo de Ananda, construído em 1105 dC. É um dos grandes quatro templos de Bagan, importante cidade de Myanmar. Esses e várias outras opções turísticas estão à disposição de qualquer pessoa que se interesse pelo país. Pode-se dizer que Myanmar é um lugar incrível, capaz de marcar a vida de qualquer pessoa que se aventurar a conhecer o país, mas pouco  ou quase totalmente conhecido. Myanmar nunca foi o sonho de viagem de ninguém. Pode-se dizer que viajar por Myanmar é conhecer a história do mundo oriental e entender o pensamento de uma das mais belas religiões do mundo, o budismo, mas boa parte do mundo sequer sabe que Myanmar existe, e não porque o país seja insignificante, mas porque poucos querem enxergá-lo. Preferem as grandes rotas turísticas, cheias de belezas artificiais que só fazem gastar milhares de reais em bobagens que se desfazem com o tempo. Myanmar tem uma riqueza que nenhum outro destino turístico pode oferecer: boas histórias para se contar o resto da vida. 

Ao conhecer melhor seu destino, Roberto convenceu-se de que aquela seria a viagem de sua vida. Seria uma dessas experiência que se conta aos filhos, aos netos, aos amigos, se registra em livro, em fotos, enfim, uma dessas coisas boas da vida que a gente não quer esquecer nunca. Mas Roberto percebeu que não seria simples assim logo que começou a planejar a viagem. Antes de pensar no que levar, em como se alimentar e outros detalhes, seu problema ateve-se a uma pergunta difícil: quem levar?

Roberto pensou que teria de escolher bem a pessoa que o acompanharia em sua viagem, pois ao anunciar que ganhara a passagem para um lugar tão fascinante, todos seus amigos iriam querer acompanhá-lo. Mas não foi o que aconteceu. Pelo contrário. Sua primeira convidada agradeceu o convite mas disse que não poderia ir, pois tinha de fazer compras no mercado. "Mas logo nesse dia?". "Sim, tenho o hábito de fazer compras sempre no mesmo dia", respondeu evasivamente a amiga, que tratou logo de sair do convite de Roberto. Bom, haveriam outras pessoas que gostariam de acompanhá-lo. Mas não. Outra sequer respondeu seu convite. Um parente disse que aquele seria um "programa de índio". E assim, um a um, seus convidados fugiram do convite com motivos cada vez piores e mais vazios. 

Roberto, então, resolveu desistir da viagem, não sem uma grande carga de decepção. Iria desperdiçar a chance de conhecer Myanmar. Não teria a menor graça viver uma aventura dessas sozinho. Esse é o programa perfeito para se fazer acompanhado, com alguém disposto a compartilhar com você dessa experiência para sempre. Mas ninguém quis ir a Myamar com Roberto. 

Roberto sabia que a história teria sido bem diferente se o convite fosse para passar uma semana em New York, Londres, Manhattan ou outros destinos glamurosos. Mas Roberto não queria nenhum outro destino glamuroso, até porque não podia pagar nenhum outro destino. E mesmo que pudesse, estava convencido de que Myanmar seria algo fascinante.

Mas ninguém quis ir a Myanmar com Roberto. 

Ninguém quis Myanmar. 

Comentários

  1. acho q essa postagem terminou meio vazia, eu preciso saber o q aconteceu com o Roberto...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Fique à vontade para comentar, acrescentar ou discordar de algo. Mas lembre-se que que escrevo aqui reflete apenas a MINHA opinião, e essa opinião pode nem sempre ser a mais ideal.

Caso tenha dificuldade de escrever por aqui (o Blogger sempre gosta de dificultar as coisas) envie email para weslleytalaveira@blognovasideias.com

Postagens mais visitadas deste blog

Gostosa

Eu prometo

Prêmio de Consolação