O Último Imperador


Sim, eu realmente sou muito estranho! Enquanto boa parte das pessoas está comemorando o Dia dos Namorados com passeios, cinema, jantar, flores e sexo, eu estou em casa assistindo filme chinês :O

Mas não é qualquer filme. Assisti O Último Imperador, que retrata uma parte importante da história da China: o fim do Império Chinês e a Revolução Comunista. [ESTE PARÁGRAFO CONTEM SPOILERS] Pu Yi recebeu o império ainda criança, aos 3 anos, e cresceu no meio da rigidez típica do império Chinês. Mas, por crescer e viver e crescer trancado na Cidade proibida, Pu Yi não sabia que seu país estava entrando em conflito, em parte pela interferência do Japão, interessada em dominar os chineses, e em parte pela influência do comunismo russo, que ganhava cada vez mais adeptos. Só se dá conta disso quando vê seu império perder forças ao longo dos anos, com a criação da República Popular da China. Os comunistas invadem a Cidade Proibida e Pu Yi é obrigado a fugir do país. Longe da China vira um playboy cantor que sonhava em conhecer a Europa, mas seu desejo de poder o levou a voltar à sua região de origem, a Manchúria, que vinha sendo dominada pelos comunistas. Na Manchúria, o imperador acredita que poderá criar um novo país e se aliar ao Japão para ganhar força. Cria seu império com toda a pompa com que estava acostumado, mas não percebe que, ao invés de ser um país independente e aliado do Japão, está sendo apenas usado pelos japoneses que usavam a região para testar bombas e ganhar forças contra a China. Por fim, Pu Yi é entregue às tropas russas e passa 10 anos na cadeia sendo doutrinado pela ideologia comunista. Ao fim desse tempo, é libertado e leva uma vida sofrida como jardineiro, vivendo pelas ruas como uma pessoa comum, sem sequer ser lembrado como o Imperador que um dia havia sido.

O filme é um clássico do cinema mundial, e um dos mais premiados na história do Oscar. Foi um dos únicos a vencer em todas as categorias que concorria, além de fortalecer o nome de Bernardo Bertolucci como diretor. Foi também a primeira vez que o Governo Chinês deu permissão para que um filme de ficção fosse gravado na Cidade Proibida, que serviu de sede do Império por mais de 500 anos e agora foi declarada pela UNESCO como patrimônio da humanidade.

O Último Imperador é mais do que uma parte da história da China: é uma joia do cinema mundial, que mostra que o desejo pelo Poder e pela bajulação pode levar pessoas a cometer atos insanos, independente do resultado que elas tenham sobre as outras pessoas e sobre si mesmo. Pra mim uma das cenas mais marcantes do filme é a última, onde Pu Yi, já velho, compra um ingresso pra visitar a Cidade Proibida, e lá revê o Trono onde havia sido declarado imperador e onde se sentou por tantos anos. Ao ser repreendido por um garoto que usava um chapeu com a estrela vermelha do Comunismo, ele diz ao garoto que era o imperador, e sobe ao trono. Lá encontra o pote onde havia guardado a "cigarra real" que ganhou quando ainda era criança. Entrega ao pote ao menino e some de cena. O filme termina com uma visita de turistas à Cidade proibida, onde uma guia conta a história do palácio e diz que o último imperador foi Pu Yi, morto em 1937.

Vale a pena ver.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fique à vontade para comentar, acrescentar ou discordar de algo. Mas lembre-se que que escrevo aqui reflete apenas a MINHA opinião, e essa opinião pode nem sempre ser a mais ideal.

Caso tenha dificuldade de escrever por aqui (o Blogger sempre gosta de dificultar as coisas) envie email para weslleytalaveira@blognovasideias.com