"Nossa, como você mudou!"


Me disseram isso no domingo passado. Embora tenham dito em tom de reprovação, eu preferi entender como uma constatação. Isso porque reconheço que realmente mudei muito nos últimos anos, e gostei das mudanças pelas quais passei. O curioso é que as pessoas veem as mudanças como algo negativo. Pensam que quem muda não tem personalidade, mas na verdade o oposto é verdadeiro. Nós nascemos "prontos para mudanças" (o paradoxo é proposital).

Como diz a música da Pitty, "surgem novos valores vindos de outras vontades". Sim, mudei e mudo de opinião por várias vezes. Coisas que eu antigamente condenava hoje aprovo. Outras que pra mim eram como sagrado hoje são repugnantes. Mudei meu visual, minha forma de pensar, minha forma de agir, de me relacionar com as pessoas (ainda preciso melhorar MUITO). E não parei por aí, ainda estou em mudanças.

Algumas mudanças são dolorosas, isso é fato. Tem coisas que a gente só aprende sofrendo na própria pele. Certos conceitos precisam nos ferir, doer, para se implantar em nossa personalidade. Mas ainda assim essas mudanças são muito proveitosas. O que hoje é um sofrimento quase insuportável, no futuro vai ser uma boa história de vida a ser contada para os netos. 

Alguns dizem que as pessoas não mudam. Em certo ponto acredito. Algumas coisas em nós não mudam, mesmo. Traços de personalidade e manias, por exemplo, estarão sempre presentes independente de onde você esteja. Ainda hoje eu continuo com o mesmo medo descomunal de altura que já me fez passar vergonha em vários elevadores e escadas rolantes Brasil afora, e continuo o desastrado que pisa no pé dos outros e tropeça nas guias das calçadas. Ainda tenho a mesma mania de criança de ver alguém conhecido na rua e virar o rosto, e depois rapidamente voltar a olhar. Continuo com a dificuldade de sempre de me aproximar de pessoas desconhecidas, daí a dificuldade de iniciar relacionamentos. Continuo distraído e passando reto por conhecidos na rua, que nem sempre se convencem com o meu "desculpa, não te vi". Com o passar dos anos perdi e adquiri manias que me fazem agora ser quem eu sou.

Sou um fervilhar de sentidos, uma "metamorfose ambulante". E gosto de ser assim. Influencio outros, e também sou influenciado. Incentivo pessoas a adquirir hábitos, e adquiro hábitos que vejo em outros. E é assim, de mudança em mudança que nosso "eu" vai se formando.

Vou continuar mudando. Ainda tem muita coisa em mim para se corrigir, pra aperfeiçoar. Tenho projetos para colocar em prática, outros para abandonar, mas não tenho medo do que há por vir. Meu esforço maior é para não ter medo das mudanças. Só tenho medo mesmo é de não mudar. Quero mais mudanças na minha vida. Estou pronto para receber o que a vida me entregar nas mãos e para lutar pelo que tiver de conquistar.

Minha grande meta na vida é tentar responder a clássica pergunta: "quem sou eu?".

4 comentários:

  1. Muito bom texto, simples e direto. "Conheci" vc essa semana e passei a te seguir no twitter pq seus posts e textos no Insonia sao os melhores, gostei muito do que vc falou sobre homofobia. Sucesso! Ana / Londres

    ResponderExcluir
  2. Ana,

    Obrigado por acompanhar. Gde abraço!

    Te,
    Mudanças sempre são importantes, não é mesmo?
    Abraço!

    ResponderExcluir
  3. Gostei muito do seu texto, você tem razão a mudança faz parte da vida do ser humano , mudamos pela dor ou pelo amor.
    E que venham todas as mudanças !!!
    bj
    Clau(Pamela)rs

    ResponderExcluir

Fique à vontade para comentar, acrescentar ou discordar de algo. Mas lembre-se que que escrevo aqui reflete apenas a MINHA opinião, e essa opinião pode nem sempre ser a mais ideal.

Caso tenha dificuldade de escrever por aqui (o Blogger sempre gosta de dificultar as coisas) envie email para weslleytalaveira@blognovasideias.com